menu close menu

You must have

    *Tanto a calça como o vestido da mulher são imodestos. Foto apenas para ilustrar o artigo.

Por Julie Maria

 

Quem quer seguir o mundo e seus caprichos deve andar na linha. Um termo que as revistas de moda usa para demonstrar isso é “You Must Have” que literalmente quer dizer: “você tem que ter”. Não vemos as editoras e consultoras de moda mundana serem questionadas porque nós “temos que” usar tal ou qual acessório, roupa, marca, cor, estilo, etc. Simplesmente se diz e vira regra. Aparece uma calça ridícula como a “saruel” e não demora dias para vermos nas ruas as mulheres obedientes da moda mundana com ela, e em nenhum momento se hesita em questionar se tal peça é realmente bela, adequeda, digna de ser usada. Outra vez é a moda do sutiã aparecendo. A blusa deve ser caída no ombro ou ter algum rasgo para que o sutiã seja visto. Se for para uma festa o sutiã deve ser brilhoso, assim aparece mais. Sim, isso foi dito num programa onde, supostamente, a consultora estava ensinando como usar o sutiã aparecendo (sic). E assim vemos, dia após dia, os modismos surgindo para serem consumidos por ávidas mulheres preocupadas em “andar na moda”. Se a calça jeans agora tem duas manchas no bolso traseiro como se a pessoa tivesse sentado num lugar que recém foi pintado de tinta branca, o que importa? É a moda, e lá vemos mãe e filha com suas calças manchadas de branco em suas nádegas. Sobre isso ninguém reclama, duvida ou questiona, afinal, é a moda.


Mas se, com fundamento antropológico, moral e espiritual se deseja guiar as mulheres a acolherem o dom da feminilidade no seu vestir, aí esta pessoa está querendo doutrinar, mandar, impor suas regras em cima das pobres meninas indefesas. Que estranho. Frente às ridicularidades do mundo ninguém fala em doutrinamento, mas a uniformização totalitária de calça jeans e camiseta está aí para qualquer um ver. Hitler adoraria um exército tão obediente… e cego.


Será que não seria o mundo que quer doutrinar e mandar no que devemos vestir – e o que devemos deixar de vestir- e ai daquela que pensa e se veste diferente? Não seria o mundo que cria estilos totalmente arbitrários, anulando a diferença sexual e as diversas idades fazendo com que mãe, pai e filhos se vistam igual? Não seria o mundo que obriga a mulher a mostrar suas coxas e seus seios para parecer sexy e atraente em toda capa de revista, servindo de modelo para as milhares de mulheres que estão sedentas por alguma referência para o seu guarda-roupa e seu estilo? Não seria o mundo que, fingindo que nos dá a liberdade de nos vestirmos “como bem entendemos”, manipula os gostos através da mídia, do cinema e das novelas, e o que sai ali no outro dia já está sendo copiado pelas grandes e mini fábricas espalhadas pelo país? Quem já não passou pela experiência de sair para comprar um vestido para uma festa e só encontrar o mesmo modelo – tomara-que-caia – em todas as lojas da cidade?


Pois é, tão antinatural quanto esta moda mundana e seus dogmas é o apostolado que pretende falar da modéstia mas que não segue critérios objetivos e se torna espelho de seus donos, que facilmente rotula de “exagerado, escrupuloso, puritano” qualquer coisa que saia do padrão que seus mesmos donos criaram de modo arbitrário, gerando uma tremenda confusão para as almas que estão iniciando o caminho da modéstia no vestir.



Se o senso comum bastava para olhar os 2000 mil anos de Cristianismo e ver que o vestido que cobre o corpo – e todo o corpo – é a mais digna, a mais adequada e a mais feminina, hoje já não basta. Para quem quer fazer apostolado dos seus gostos tampouco basta um Cardeal fazer um profundíssimo estudo moral e psicológico da calça usada pela mulher ou uma diretriz da Santa Igreja sobre o mínimo (não o máximo) de uma veste feminina para que seja considerada modesta. Quando se está buscando satisfazer o próprio ego nada basta, pois ele é insaciável.


Algumas poucas pessoas que estão realmente preocupadas com a salvação das almas, com a vocação da mulher e com as trágicas conseqüências da depravação da moda nos guiam neste árduo e nobre caminho do Apostolado da Modéstia, e nós somos claros em dizer que estamos tratando de um ideal. Estamos escrevendo sobre estes temas fundamentando com citações de pessoas competentes e mostrando imagens que retratam um ideal, uma meta, um programa com um fim específico para quem quer agradar a Deus e não aos homens; para quem quer ser instrumento de edificação para os irmãos e não pedra de tropeço; para quem quer educar seus filhos na pureza e na lei do Senhor. Mas nós sabemos que quando o ideal é alto demais, não faltam pessoas que – por não querer se esforçar na virtude – querem que todos sigam e engulam seus vícios e fraquezas.


Por isso, antes de falar em “doutrinamento” pedimos a nossos visitantes que leiam todos os nossos artigos, especialmente estudem e meditem sobre os artigos do link do Magistério, que contém verdadeiros tesouros, como por exemplo o inspirador discurso do Papa Pio XII aos estilistas. Gastemos nosso precioso tempo – do qual iremos ser cobrados – com coisas úteis, com conversas edificantes, com leituras qualificadas, com estudo da nossa fé católica, em vez de ficarmos irados porque alguns querem um ideal mais alto do que aquele que eu me propus para eu mesmo. Isso não é atitude de cristão, isso é ser mesquinho e intelectualmente desonesto ou preguiçoso.


Enquanto a moda mundana tem os seus “must have” nós, do Apostolado Moda e Modéstia, incentivamos as pessoas a refletirem sobre suas vestes para ver se realmente elas estão revelando que somos filhos de Deus ou marionetes do mundo. Quem deseja seguir a moda mundana não precisa de Apostolado, basta olhar para o lado. Mas quem deseja conhecer, viver e propagar a modéstia precisa encontrar a agulha no palheiro, pois esta virtude está mais rara que nunca! Que Nossa Senhora Modestíssima nos guie e inspire nesta via, amém.


 

Share This:

Comments Off on You must have