menu close menu

Contra as modas indecentes

Contra as modas indecentes – Traduzido por Andrea Patrícia



Por mais de vinte e cinco anos, o falecido Padre Bernard Kunkel, que morreu em 1969 e que era o pároco de Santa Cecília, em Bartelso, travou uma luta quase impossível pela pureza e modéstia. Até mesmo a roupa habitual era indecente. Aqui estão algumas das coisas que ele escreveu nas edições de 1969 da revista Divine Love e na edição de 1957 da Marylike Crusader:



“Um dos fenômenos estranhos da história é o fato de que o Diabo conseguiu manter tão bem oculto a existência do corruptor Corpo de Satanás, com seu programa de longo alcance para a destruição da Igreja. Católicos simplesmente não parecem estar cientes de que, logo que Cristo instituiu a Sua Igreja —Seu Corpo Místico— o diabo da mesma forma organizou sua anti-Igreja, seu corpo corruptor. Santo Agostinho, São João, São Paulo e outros santos que se referem a ele, bem como o Papa Leão XIII e outros líderes da Igreja. O corpo de Satã corruptor ainda existe em nosso tempo e é muito bem organizado em seus esforços para usar a moda moderna, a literatura suja, os filmes indecentes, os programas pagãos de TV, as drogas, as bebidas, etc., para quebrar a moral entre os católicos a fim de, eventualmente, destruir a Igreja e o cristianismo. Sua arma mais eficaz foi a corrupção por dentro.



“Desde a queda de Adão e Eva no Jardim do Éden, Satanás tem sido capaz de usar a arma de impureza de modo muito eficaz. No século 16 que ele usou como suas ferramentas os fundadores de duas religiões protestantes na Alemanha e na Inglaterra, Martinho Lutero e Rei Henrique VIII. O primeiro fundador entrou em um casamento sacrílego, o segundo em um adúltero. Nossa Mãe Mais Casta foi destronada de seus corações, não havia outro caminho lógico para eles, a não ser exilá-la de suas e igrejas feitas pelo homem e dos corações de seus milhões de seguidores. Mas o diabo não podia esperar para corromper completamente o Corpo místico de Cristo, a Igreja Católica, a menos que ele pudesse ter sucesso primeiro destronando Maria, a Mãe Mais Casta, do coração dos católicos.



“Nossa Mãe Santíssima, em todas as suas aparições, está totalmente coberta. Em Fátima em 1917 ela apareceu em um mundo que estava a começar a cortar as mangas e os decotes e encurtar as saias. Deveria ela, o modelo para as meninas também no século 20, mostrar alguns sinais de seguir a tendência moderna? Na verdade, como Rainha do Céu, ela está vestida com roupas de rainha. Mesmo assim, ela poderia fazer um corte pequeno nas mangas, decote e saia. Por que tanta determinação em agarrar-se a padrões tradicionais? Por que ela não dá uma folga a menina moderna, e dá algum sinal de que ela aprova um pouco de corte aqui e ali?



“A resposta é, pois ela não aprova a tendência moderna de descobrir as partes do corpo como o tórax, braços, ombros e coxas. Ela desaprova. Na verdade, ela veio do Céu à Terra para alertar contra esta tendência em se despir. Ouça o que ela revelou a pequena de dez anos de idade, Jacinta de Fátima, enquanto esta agonizava em um hospital em Lisboa, Portugal, em 1920: ‘Hão de vir umas modas que hão de ofender muito a Nosso Senhor. As pessoas que servem a Deus não devem andar com a moda. A Igreja não tem modas. Nosso Senhor é sempre o mesmo. E ela também revelou a Jacinta que ‘os pecados que levam mais almas para o inferno, são os pecados da carne.’



“O diabo procura, portanto, destruir a veneração que os fiéis sempre tiveram ao corpo casto e virginal de Maria, através do qual Cristo entrou neste mundo. Durante séculos, ele procurou encontrar uma maneira de remover Maria como modelo perfeito de castidade e modéstia. Só então ele pode ter esperança de trazer a corrupção em massa que poderia levar os católicos a sua ‘religião do mundo’ — o culto impuro do corpo e da gratificação sexual desenfreada.



“Isto é, aparentemente, o que Satanás tentou através de seus agentes, os poderes de corrupção, durante a Revolução Francesa. Em 10 de dezembro de 1793 uma multidão enfurecida correu para a Catedral de Notre Dame, em Paris, pegou a estátua da Virgem Maria sobre o altar, e jogou-a no chão. Ódio contra a Mãe de Deus? Bastante evidente. Mas o seu ódio era dirigido principalmente contra a Virgem com trajes modestos, o modelo de pureza e modéstia. Isso fica claro em sua ação posterior de entronização no altar de uma mulher nua, a deusa da Razão, no lugar de Maria. Desde esse dia Paris continua a ser a capital do mundo da moda semi-nua.



“Mas por que as mulheres devem ser as primeiras vítimas do plano do Diabo? Porque as mulheres têm um sentido muito mais delicado de modéstia, e é exatamente por isso que o diabo se esforça para destruir o primeiro sentido da modéstia feminina que faz com que a feminilidade seja a guardiã da castidade no mundo.



“Mesmo com o sucesso da Revolução Francesa, o demônio da luxúria era muito esperto para revelar imediatamente o seu programa completo de destruição moral a ser realizado por seus agentes humanos. Para escapar da detecção, ele deve desenvolvê-lo gradualmente. Se todo o programa fosse desdobrado de uma só vez, as mulheres cristãs teriam se levantado em rebelião aberta. No entanto, muito antes dos vestidos femininos tornarem-se modernos uma parte deste segredo, o programa gradual, foi divulgado por um jornal francês, ‘A Mulher Francesa’ como segue:” Nossas crianças devem realizar o ideal de nudez … Assim, a mentalidade da criança é rapidamente transformada. Para escapar da oposição, o progresso deve ser metodicamente gradual; primeiro, pés e pernas nuas, em seguida, mangas para cima, mais tarde os membros superiores e inferiores, a parte superior do tórax, as costas,… no verão as crianças vão andar por aí quase nuas. “



“Em outras palavras, aplicando isto aos nossos dias, manter as crianças em trajes de sol, ou quase nada, tanto tempo quanto possível, até se acostumarem a isso, eles vão ver nada de errado em expor o corpo mais tarde. Faça as blusas mais finas ano após ano, os suéteres e calças jeans mais apertados, os shorts mais curtos, os vestidos do dia sem mangas, o formais sem alças ou com alças finas na melhor das hipóteses, o mais ousados trajes de banho, todos com a idéia de que a moda deve revelar, tanto quanto possível, ao invés de esconder. Quem, senão o Diabo poderia conceber tal sistema inteligente, sabendo o resultado inevitável de que viria a seguir por causa da natureza humana caída causada pelo Pecado Original?



“Este plano foi publicado há muitos anos, mas nós vemos nas modas atuais como as mulheres modernas caíram nele, incluindo muitas católicas. Como isto foi feito de forma gradual, sem disso terem consciência de qualquer programa organizado, não é de admirar que os nossos jovens perguntem, ‘O que há de errado com as modas modernas?’ Tendo sido criados nelas, muitos desde que eram crianças, não vêem nada de errado em tais modas, nem os perigos para si ou para outrem.



“Em 1846, o Governo Pontifício da Itália, sob o Papa Gregório XVI, apreendeu documentos secretos dos comunistas. Estes documentos, o Papa enviou ao Cretinau-Joly, que os publicou em francês, em 1875, com a aprovação do Papa Pio IX. Um desses documentos é mais revelador: “Foi decidido nos nossos conselhos de que devemos nos livrar dos católicos, mas nós não queremos fazer Mártires, então vamos nos esforçar para popularizar o vício entre as pessoas. Ele deve entrar pelos seus cinco sentidos: deixe-os beber e ficar saturados com isso… faça o coração dos homens corruptos e você não terá mais católicos. Eu ouvi recentemente um dos nossos amigos zombando de nossos projetos e dizendo: “Para derrubar o catolicismo, você deve começar por suprimir o sexo feminino. O provérbio é, em certo sentido, verdade, mas desde que não se pode suprimir a mulher, vamos corrompê-la juntamente com a Igreja… A melhor adaga com a qual se pode ferir a Igreja até a morte, é a corrupção.’



“Nossos jovens são grandes imitadores. Eles gostam de “seguir a multidão”. Isso é bom, desde que a multidão esteja indo na direção certa. Caso contrário, pode levar a sérios problemas, especialmente na questão de modas. Muitos adolescentes dizem: “todo mundo faz isso, então por que não podemos?’. Se todo mundo pular na frente de um trem em movimento rápido, você faria o mesmo? Porque “todo mundo faz isso” não é motivo para nós fazermos o que é errado. Não há segurança em números. O que estava errado séculos atrás, com relação ao pecado, ainda está errado hoje. Deus não fez nenhuma disposição especial para o século 20. Se 99 pessoas fazem o errado, porque “todo mundo faz isso”, Deus punirá os 99 e premiará o 1, que O segue. Isso foi comprovado na época do dilúvio, quando ele destruiu tudo, salvou Noé e sua família. O Santo Padre Papa Pio XII declarou repetidamente: ‘O maior pecado da nossa geração moderna é que ela perdeu todo o sentido do pecado’. Isto é particularmente verdadeiro em relação a modas, e à virtude da pureza”.



Foi na festa da Imaculada Conceição, 8 de dezembro de 1944, que o Padre Kunkel iniciou a Cruzada de Pureza de Maria Imaculada, com a bênção episcopal do seu Bispo, o mais tarde Reverendo Henrique Althoff. O Papa Pio XII deu sua Bênção Apostólica a esta Cruzada da Pureza em 14 de julho de 1954, e novamente em 11 de maio de 1955 “para os membros, para os seus administradores e moderadores, para as suas famílias e entes queridos, e a todos os que levarem adiante o seu movimento louvável para a modéstia no vestir e no comportamento.”



Outra voz a falar com veemência contra as modas indecentes foi a do falecido arcebispo Albert G. Meyer, de Milwaukee, Wisconsin, que, em 1 de maio de 1956, escreveu uma Carta Pastoral para o Clero, religiosos e leigos fiéis de sua Arquidiocese sobre modéstia e decência. Nós citaremos longamente sua Carta Pastoral, onde ele não só discute o problema, mas também fala sobre os efeitos, e recomenda os remédios.



I. OBJETO DA PRESENTE PASTORAL



No desejo de cumprir o encargo que nos foi dado como seu pastor, cujo dever é proteger o seu rebanho contra o inimigo, e apontado como um vigia de Deus, que deve falar em avisos claros e explícitos, para que os pecados daqueles que erram não sejam cobrados na sua conta (Ez. 33, 8-9), decidimos abordar esta carta para você. Nesta carta, está o nosso pensamento a considerar o tema geral da Decência…



Somos impelidos a fazer isso porque nós recordamos algumas das recentes declarações fortes do nosso Santo Padre (Papa Pio XII)… Particularmente uma carta especial que ele ordenou que fosse escrita sobre este assunto através da Sagrada Congregação do Concílio, em 15 de agosto de 1954. Nesta carta, o Cardeal Prefeito da Congregação, escrevendo em nome do Sumo Pontífice, solenemente cobrou os Bispos do mundo “por todos os meios para examinar o assunto com cuidado, e ter sob seus cuidados e promover com todo o poder o que tem a ver com a proteção da modéstia e a promoção da moral cristã…



II. O PROBLEMA



Uma fase deste problema na crise moral foi descrita na carta de 15/8/54…: ‘Todo mundo sabe que, durante os meses do Verão, em particular, são vistas coisas aqui e ali que são certamente ofensivas a qualquer pessoa que mantenha algum respeito e consideração pela virtude cristã e modéstia humana… Em quase todos os lugares, nas ruas das cidades, em locais públicos e privados, e, na verdade, muitas vezes, mesmo em edifícios dedicados a Deus, um modo indigno e indecente de se vestir tem prevalecido… O vestuário feminino, se pode ser chamado de vestuário aquilo que não contém nada para proteger seja o corpo seja a modéstia, é, por vezes de tal natureza que parece servir a lascívia, em vez de servir a modéstia.”



Este problema é referido a partir de outro ponto de vista na declaração anual dos Bispos Americanos de 1953, sobre o tema geral da Dignidade do Homem, com as seguintes palavras:



‘Desatentos que sua natureza tem Deus como sua origem e destino, e a razão e revelação por seu guia divinamente encarregado, o homem irá fazer o que nenhuma outra criatura pode — ele irá negar a sua verdadeira natureza e irá destruir tudo que é bom dentro de si. Este processo de degradação está trabalhando cruelmente em nosso próprio país, onde a divinização da carne continua a recrutar novos devotos. Mediante a liturgia de propaganda, entretenimento e literatura, esse culto concorre justamente para corroer nosso senso de decência nacional… A Igreja Católica nunca deixou de reconhecer o corpo humano numa medida de imensa honra. Ela afirma que ele foi originalmente criado por Deus, em uma instância realmente assumida por ele; em cada instância deveria ser sobre a terra Seu templo especial, e destinado, eventualmente a se reintegrar com a alma em Sua Presença Beatífica. Tudo o que é intransigente em seu ensinamento sobre o corpo humano resulta de seu realismo em dois pontos: o corpo, apesar de bom, não é o bem mais elevado, e o corpo indisciplinado é notoriamente mau’.



III. A VIRTUDE DA CASTIDADE



Não podemos, amados, escrever com inteligência sobre a virtude da modéstia, a menos que destaquemos em primeiro lugar a importância universal de pureza. A modéstia, por sua própria definição, é encarada como o escudo e a salvaguarda da pureza. O colapso da modéstia é devido fundamentalmente a uma violação da virtude da pureza como uma virtude necessária para todos, em todas as circunstâncias da vida. Por isso, gostaríamos de explicar sucintamente três ensinamentos de nossa santa fé, que impõe uma obrigação correspondente sobre nós:



O primeiro ensinamento de nossa fé é que a lei da pureza é aplicada a todo ser humano. Ela o amarra no público e no privado, no casamento e fora do casamento, na juventude e na velhice. É uma das leis sérias que Deus fez, o que significa que é uma da qual a salvação de nossa alma depende. É bastante óbvio que esta lei de pureza proíbe a ação do mal (Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus?. I Cor. 6,9-10), e a palavra má (Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos.” Ef. 5,3). A mesma lei de pureza também proíbe o pensamento impuro e o desejo impuro (Eu, porém, vos digo: todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração. Mt 5,28). Impureza, portanto, no pensamento e desejo, assim como na palavra e na ação, é uma grave violação de uma lei estabelecida pelo próprio Deus e precisamente e principalmente é seriamente errado porque transgride a lei de Deus. Além disso, o ato externo é apenas o fruto do pensamento e do desejo interno. É neste  pensamento e desejo interno que está a origem do ato externo. Do coração procedem os maus pensamentos, adultérios, imoralidade, blasfêmias. (Mt. 15, 19)



O segundo ensinamento de nossa Fé que nós pedimos-lhe para recordar aqui é a doutrina do Pecado Original. Todo ser humano, exceto a Imaculada Mãe de Deus, por causa do Pecado Original herdou uma natureza corrompida, que se manifesta mais intensamente, talvez, em inclinações à impureza do que em qualquer outra forma. A batalha com a concupiscência não é limitada a uma determinada idade ou estado de vida; deve ser travada por todos e em todos os momentos. É ensino da nossa fé que a natureza do homem foi ferida através Pecado Original. A ferida na nossa natureza é experimentada através da luta pela qual temos de controlar nossa imaginação e nossas paixões. A imaginação por ela própria, como sabemos, é simplesmente uma imagem tomando poder. Esta é certamente para o real uso do intelecto do homem, mas por causa do Pecado Original esta pode também atuar nos assuntos da mente de modo desproporcional aos seus méritos. Assim, alimentar a imaginação com todos os tipos de imagens que servem para excitar as paixões de natureza física do homem é, obviamente, contra os planos e a vontade de Deus. Essas imagens tendem a fazer as paixões se rebelarem contra o controle do intelecto e da vontade, e para atirar a própria vontade para longe da conformidade com a vontade de Deus. Isso é o pecado! O Pecado Original e suas conseqüências em nossa natureza caída nos impõem a obrigação de manter a imaginação sob o controle adequado do intelecto e da vontade.



O terceiro ensino da nossa Santa Fé é que esta fraqueza da natureza humana, que é o resultado do pecado original, só pode ser conhecida por meio da prudência e da reta razão, e usando os meios abundantes de graças sobrenaturais que foram fornecidos por nós por nosso Divino Salvador. O mundo não usa. A prudência diz-nos que devemos evitar razoavelmente o que tende a tornar a imaginação rebelde contra o intelecto e vontade, e para lançar essas duas longe de Deus. A prudência, portanto, que vê que a virtude da pureza é um bem necessário, também vê que certas coisas devem ser evitadas para auxiliar a vontade na busca do que é bom. O mundo não usa de prudência em matéria de pureza… Ele fornece um fluxo constante de incentivos para a luxúria, completamente indiferente da ligação íntima e necessária entre a modéstia e a pureza, e na verdade muitas vezes negando o pecado de impureza em si.



Enfatizando os ditames da prudência. Cristo exige: “Se a tua mão ou o teu pé é uma ocasião de pecado para ti, arranca-o e lança-o longe de ti! É melhor para ti entrar na vida mutilado ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, ser lançado no fogo eterno. E se o teu olho é uma ocasião de pecado para ti, arranca-o e lança-o longe de ti! É melhor entrar na vida com um olho, que, tendo dois olhos, ser lançado no fogo do inferno.” (Mateus 18, 8-9). O mundo não acata esta advertência de Cristo, porque nega a realidade do pecado de escândalo, e porque se ignora ou despreza os meios sobrenaturais (os Sacramentos e oração) para preservar a pureza.



Esses três fatos da nossa santa Fé apontam a uma tríplice obrigação de nossa parte. Em primeiro lugar, amar a pureza para si, como obrigatória para todos nós, em todas as relações públicas e privadas de nossas vidas, na medida do necessário para a salvação de nossas almas imortais. Em segundo lugar, usar de prudência e bom senso para protegê-la. Em terceiro lugar, usar os meios sobrenaturais de oração e os sacramentos para preservá-la. Ouça essas palavras do nosso Santo Padre, em uma carta encíclica de 25 de março de 1954, a este respeito: “É claro que com este aviso (citado acima de Mt. 18, 8-9), nosso Divino Salvador exige de nós acima tudo o que nós nunca consintamos em qualquer pecado, mesmo internamente, e que estamos firmemente removamos para longe de nós qualquer coisa que ainda possa manchar um pouco a bela virtude da pureza. Nesta matéria, nenhuma diligência, nenhuma gravidade pode ser considerada exagerada. Vigilância pronta e alerta, pelas quais nós cuidadosamente evitamos as ocasiões de pecado, sempre foi considerado como o método mais eficaz de combate neste assunto. Além disso, para preservar a pureza imaculada, esta ajuda deve ser utilizada inteiramente com aquilo que ultrapassa os poderes da natureza, ou seja, a oração a Deus, os sacramentos da Penitência e da Eucaristia, e uma fervorosa devoção à Santíssima Mãe de Deus.



IV. A VIRTUDE DA MODÉSTIA



Isso nos leva a uma reflexão sobre a virtude da modéstia no que se refere à virtude da pureza. A virtude da modéstia, em geral, pode ser descrita como a virtude que nos leva a sermos decorosos (no bom gosto), adequados e reservados, na forma como nos vestimos, na postura, no andar, no sentar — em geral, na maneira de se comportar exteriormente. A virtude da modéstia é particularmente considerada como a guardiã da pureza no pensamento, palavra e ação. Santo Tomás diz que a virtude da modéstia é a virtude pela qual nós justamente regulamos a nossa conduta em relação a essas coisas que podem levar a pensamentos impuros, desejos e ações, em nós mesmos e nos outros. Uma área da vida humana na qual a modéstia particularmente deve exercer a sua influência sobre aqueles que devem ser castos e ajudar outros a preservar esta virtude está no vestuário. No que diz respeito ao vestuário, a modéstia exige principalmente duas coisas: primeiro, cuidar para que não se faça a pureza difícil para si ou para outros, pelo próprio modo de se vestir e, segundo, uma resistência prudente, mas firme e corajosa aos estilos e costumes que são um perigo para a pureza, não importa o quão populares ou generalizados, ou adotados por outras pessoas. O Papa Pio XII, num discurso para um grupo de meninas da Ação Católica, em 6 de outubro de 1940 afirmou: “Muitas mulheres… cedem à tirania da moda, sendo mesmo indecentes, de tal forma a não parecer nem mesmo a suspeitar que é inconveniente. Elas perderam a própria noção de perigo, perderam o instinto de modéstia. Em geral, essa forma de vestir que pode ser chamada de imodesta, que serve para despertar a cobiça dos homens, ou que serve como um escândalo, é uma pedra de tropeço, para a prática da virtude… Devemos enfatizar na linguagem mais forte possível que isto é ensino católico, com base nas palavras mais claras do próprio Cristo: que pensamentos impuros e ceder livremente ao desejo são pecados graves. Convidar tais pensamentos e desejos impuros, através do vestuário, da ação, ou das histórias impressas e retratadas (literatura, cinema, televisão) ajuda a participar do grave pecado de escândalo e de cooperação.”


Trechos do livro “Immodest Dress: The Mind of the Church”, de Louise Martin.

Share This:

Comments Off on Contra as modas indecentes